Blank Pages







A propósito do início deste novo ano, que no meu caso começou a meio gás, pois estive engripado toda a semana, pensei no conceito "blank pages".

A maior parte das pessoas acredita que o ano novo lhes vai trazer tudo o que desejam, de mão beijada. Acreditam que podem simplesmente ficar à espera, como se o destino tratasse do resto.

Obviamente, isso não vai acontecer.

Há muito que deixei de fazer resoluções de ano novo. Acabavam sempre por ser irrealistas e acabam, como é óbvio, por não serem concretizáveis.

Raramente os nossos planos vão de A a B em linha reta, a não ser quando isso acontece por um feliz acaso.

Os meus planos acabam sempre por ser a curto, médio prazo e vou delineando a forma como quero chegar onde me propus. Nalgumas vezes, a meio caminho, percebo que tenho de voltar atrás, explorar outras opções, ou simplesmente optar por outras coisas.

O erro, que tanto nos assusta, acaba por ser sempre uma aprendizagem. 

Quanto mais queremos ser perfeccionistas, mais tempo perdemos em pensamentos que não levam a lado nenhum.

Sou sempre apologista de fazer o melhor que podemos/ sabemos com os recursos que temos. Quando temos mais recursos/ conhecimento, então fazemos o dito upgrade.

O efeito "página em branco" pode começar hoje. Amanhã. Depois. Quando quisermos! Sempre.

A mudança acontece sempre nas mais pequenas coisas. Nos pormenores mais insignificantes. Na mudança de um hábito, de uma rotina ou no modo como conseguimos que a nossa mente se adapte a coisas menos agradáveis, como a frustração, a falha, o medo. E daí advenham coisas que nos façam crescer.

São sempre as situações menos agradáveis que nos dão lições de filosofia e nos remetem a um crescimento. Por mais que as tentemos evitar.

A propósito da reescrita de histórias, e ainda que não de uma forma propositada, mas porque tive saudades, voltei a um dos meus perfumes favorites o L´eau de Trente-Quatre da Diptyque.

Podem encomendá-lo diretamente no site da Diptyque - AQUI



_________________________________________________________________________


Concerning the beginning of this new year, which in my case started slowly because I had a flu, I thought about the concept of "blank pages".

Most people believe that the new year will bring them everything they want, with their hands kissed. They believe that they can simply wait and fate just deals with the rest.

Its been a long time since I stopped making New Year's resolutions. 

They always ended up being unrealistic and of course, they ended up being unworkable.

Rarely its results going from A to B in a straight line, except when this happens by a serendipity.

My plans are to be seen in the short term, they will have a reasonable deadline and they will have a way to reach. At times, when I get half way, I realize that I have to go back, check other options, or simply opt for other things.

The error, which both frightens us, turns out to be always an apprenticeship.

The more we want to be perfected, the more time we lose in thoughts that take us nowhere.

I am always an apologist to do the best that we can with the resources we have. 

When we have more resources / knowledge, then we do the said upgrade.

The "blank page" effect can start today. Tomorrow. Later when we want! Always.

Change always happens in things. In the most insignificant details. In changing a habit, a routine or not, how do we get our mind to adapt to less pleasant things, such as frustration, failure, fear. And then there are things that make us grow.

It is always the less pleasant situations that give us lessons in philosophy and bring us growth. However much we try to avoid.

This year, I decided to go back to one of my favorite perfumes L'Eau de Trente-Quatre by Diptyque.

You can order it directly from the Diptyque website - HERE



Share:

0 comentários

Thank you!