We feel what we smell

Somos/sentimos o que cheiramos.

É incrível como os cheiros nos estão tão intrínsecos. A forma quase imediata com que nos lembram coisas, pessoas, lugares, momentos, dias de chuva, de sol.
A suavidade com que nos lembram a comida da nossa mãe, pessoas que já desapareceram - mas que carregamos (e carregaremos sempre!) na memória das nossas células, na nossa memória olfativa.
Um perfume que adoro, hoje acabou. Estava a poupá-lo, até à última gota. É difícil encontrá-lo, é um exclusivo do Barney´s de NY e vou ter de esperar até lá ir, ou pedir a alguma alma caridosa e simpática que faça o favor de comprar.
Já não sentia este cheiro há algum tempo, às primeiras borrifadelas (neste caso e, ironicamente, as últimas!), senti-me a flutuar em memórias; é curioso como a nossa memória olfativa pode ser tão cheia de recantos "saborosos" do (nosso) passado. Vieram-me à memória dezenas de momentos fabulosos e irrepetíveis! Sorrisos, lágrimas, encontros, desencontros, despedidas, surpresas, salpicos de muitas situações, únicas - atrevo-me a dizer.
O frasco vai para o lixo, não sou pessoa de guardar estes tipos de memórias físicas, prefiro guardá-las no meu pensamento e, quando voltar a ter contato com este cheiro, vou dar-lhe uma nova interpretação (sem nunca esquecer as antigas).





Que cheiros (perfumes) é que fazem já parte da composição da vossa pele?


What perfume is part of you?






Share:

0 comentários

Thank you!